Orgulho?

Acho cômico quando me dizem que se orgulham por não pertencer a uma rede social. Respeito a idéia, mas posso discordar; Claro, que você pode ter o direito de não querer fazer parte desse mundo, seja porque acha frio, sem propósito, excesso de exposição ou qualquer outra coisa. Mas se orgulhar, eu acho estranho. Da mesma forma que também acho estranho alguém dizer que se orgulha por fazer parte.
Eu tenho Orkut e Facebook há anos – a minha conta do Orkut tem mais de 6 anos, eu ainda estava no colegial! – e tenho porque acho prático. Um meio de comunicação – será que estou forçando? – novo. E eu gosto de estar por dentro do que é novo. Quando acessei pela primeira vez a rede de microblogs “Twitter” achei completamente sem propósito, mas comecei a mudar de idéia ao ver o poder daquela rede na campanha do atual presidente dos EUA. É incrível a velocidade que algo se propaga nas redes sociais: tudo pode virar tendência, marketing ou especulação. Quantos foram projetados graças a essas ferramentas? Uma projeção boa? Não sei, nem me cabe dizer.
Dizer que se orgulha em não pertencer a redes sociais, é como dizer que se orgulha em não usar telefone e se comunicar por cartas. Um orgulho desnecessário. Existem coisas melhores para se orgulhar. Ficar as avessas sem experimentar é impedir de conhecer o novo – até para formar uma crítica concisa sobre o assunto. Imagina se todos tivessem ficado orgulhosos de não usarem e-mails e só comunicarem por cartas? Ou que o pombo-correio fosse o meio mais vantajoso e seguro? Qual seria nossa “evolução” (sim, entre aspas, porque evolução é muito mais que isso)?
Não é o fato de ser rede social, mas é o orgulho a estar fora das novidades. Não consigo ver orgulho nisso. É como me orgulhar de não ver televisão – é sério, eu realmente não vejo TV. Não sinto orgulho, as vezes sinto até vergonha, não por não pertencer ao grupo que vê ou ser revolucionária por não pertencer a massa influenciada, nada disso. Simplesmente não tenho paciência para televisão. Tenho noção que estou perdendo alguma coisa interessante por esse meu hábito de não querer aderir a paciência e sentar meu traseiro e ver uma tela por mais de uma hora. Filmes, documentários…isso passa batido pela minha resistência. É motivo de me orgulhar? Não. Estou provavelmente perdendo alguma coisa que pode no futuro me agregar valor – nem que seja para falar mal dela depois.
Imagina se órgãos, empresas e grandes conglomerados não tivessem aderido a internet no final da década de 90 por se orgulharem de manterem os valores aos quais foram fundados?
Eu acho que os valores podem ser mantidos e é bom que se mantenham, mas devemos estar aberto a outras coisas e principalmente conhecer o que criticamos, afinal, um bom crítico tem que conhecer bem a obra. E isso sim é um bom motivo para se orgulhar.

Anúncios

, , , ,

  1. #1 por Luilton em 12 de dezembro de 2010 - 21:08

    Redes sociais foi a ideia da década. Nunca o compartilhamento da informação foi tão grande.
    Mas como tudo que é composto de ‘pessoas’, é avaliado como um todo… O Orkut/Facebook é ótimo, mas algumas pessoas que estão neles não o usam com valor. Aí, quando alguém vai avaliar o Orkut/Facebook, só lembra da parte inútil que toda organização tem.

    É como um banco. Você vai no banco e é atendido por um caixa muito mal-educado. Você não vai dizer que o cara é mal-educado, mas que o banco é horrível e que o atendimento é péssimo.

    Um abraço, @AnonimoFamoso. 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: